Logo PUCRS PUCRS Universidade PUCRS Administração PUCRS Unidades PUCRS Graduação PUCRS Pós-graduação PUCRS Extensão PUCRS Biblioteca PUCRS Vestibular
AUDIOVISUAL
10 de julho de 2015

“A televisão já acabou”

Frase do produtor Roberto D'Avila adianta mudanças profundas para o futuro da TV
Por Júlia Aguiar
Foto: Natália Lavratti

Foto: Natália Lavratti

O digital traz incerteza. Quem pensa que o futuro dos meios de comunicação já consagrados na sala das famílias, como a televisão, preocupa apenas os telespectadores, está enganado. Grandes realizadores de televisão, como o produtor e diretor da Moonshot Pictures Roberto D’Avila, refletem diariamente para buscar alternativas ao novo mundo de possibilidades que surge com o digital. O que está em jogo é a criatividade e a capacidade de renovação de produtos televisivos.  ”Eu acho que a televisão já acabou”, atesta D’Avila, durante entrevista no Tecnopuc Viamão na última segunda-feira (6).

O aparelho que acompanha o cotidiano de milhares de brasileiros continuará existindo, mas com um novo jeito de fazer televisão. D’Avila explica que ela acabou como um modelo antigo, linear, analógico e de poucos canais. “Hoje temos 220 canais de TV paga. A TV aberta disponível em todos os lugares com sinal digital, além de outros sistemas de assistir televisão, como poder gravar a programação”. O que muda é a dinâmica de funcionamento, devido às novas opções de entretenimento online, como games e vídeos em formatos curtos que concorrem com a televisão. “Na televisão, você só recebe. Existe um grau de interatividade, mas muito menos do que como em um jogo ou vídeo no Youtube que você pode comentar, por exemplo”.

9mm: São Paulo, uma das séries produzidas por D’Avila, foi realizada em parceria com Newton Cannito. Cineasta, roteirista e escritor, Cannito revela em seu livro A Comunicação na Era Digital os cinco mitos apocalípticos que rondam as conversas sobre o fim da televisão. Ele desconstrói estes mitos logo no começo da obra. Eles são: o fim da narrativa, a migração do público para a internet, a interação constante, a televisão toda customizada e a realização de televisão por todos. Mas ele tem argumento para defender a televisão. “Nossa hipótese é que a experiência de assistir à televisão tem características próprias que continuarão existindo mesmo no ambiente da convergência, e que os novos sucessos serão programas que dialoguem com – e potencializem – os hábitos tradicionais do público”.

D’Avila acredita que o desafio da indústria criativa atualmente não está relacionado com talento natural e intuição, assim como em nenhuma outra área. O produtor utiliza a comparação com o piloto de avião comercial e afirma que qualquer um desses segmentos demanda estudo e prática. Mas faz uma ressalva: “A única diferença é que um produtor de televisão ruim não mata pessoas”. D’Avila lembra que quando começou a trabalhar com cinema, o material utilizado era a película, muito cara e de acesso limitado. Isso tornava o preparo mais lento, pois o profissional refletia mais sobre o trabalho. Além do custo, o realizador pensava mais no que produziria. “Hoje você pega sua câmera e sai tirando fotos de todo mundo sem pensar. Antes, você se preparava muito para decidir o melhor ângulo, o melhor enquadramento.”

Trinta anos depois, com bastante experiência e diretor de uma produtora, D’Avila diz que apesar destas mudanças envolvendo as ferramentas, os fundamentos não mudaram. É importante conhecer a dramaturgia, saber de construção de personagem, de narrativa e das ferramentas que são necessárias para você construir produtos vencedores no audiovisual. Muitos podem cair na armadilha da facilidade de acesso aos modos de produção, mas ele acredita que o conhecimento e o estudo são a melhor saída. “Quem vai se destacar e ser um realizador de audiovisual é aquele que irá dominar a ferramenta profundamente e usar a seu favor, e não aquele que cair no conto da sereia da facilidade tecnológica”.

Sessão de Terapia, produto de muito sucesso da Moonshot Pictures e exibido pelo canal GNT, apresenta os desafios do novo modo de realizar televisão. Com três temporadas produzidas, a série é ambientada num consultório de psicanálise e acompanha a história do psicoterapeuta Theo. Os lados profissional e pessoal deste personagem são exibidos juntamente com as histórias de seus pacientes. É um formato de série que envolve poucos elementos, e D’Avila considera um desafio prender o telespectador para que ele não troque de canal. “Apesar de parecer o mais simples, ele é o mais difícil e sofisticado do ponto de vista da construção.” O complicado é conseguir alcançar o nível de intensidade da cena neste espaço limitado que é a narrativa da câmera, somada ao talento do ator para que você acredite nele. “Este é o verdadeiro teste de pós-graduação. Ele atesta, de fato, que você tem proficiência no uso destas ferramentas e está no controle. Qualquer deslize, e o telespectador não receberá a mensagem na intensidade certa.” Pensando no futuro, D’Avila afirma que os realizadores de televisão terão que criar produtos atrativos para mais de um público, mais de uma janela e achar uma saída para agregar valor a isso.

Eu Sou Famecos no Facebook Eu Sou Famecos no Flickr Eu Sou Famecos no Issuu Eu Sou Famecos no Mixcloud Eu Sou Famecos no Scribd Eu Sou Famecos no Twitter Eu Sou Famecos no Ustream Eu Sou Famecos no YouTube RSS do portal Eu Sou Famecos
Marista, Famecos, Espaço Experiência e PUCRS Site Famecos Site Eu Sou Famecos Site PUCRS
Faculdade de Comunicação Social - Famecos/PUCRS
Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 7 - Sala 106 - Porto Alegre/RS - CEP 90619-900
Fone 51 3320.3569 r. 4121 - espacoexperiencia@pucrs.br
Desenvolvido por Espaço Experiência Wordpress.org