Logo PUCRS PUCRS Universidade PUCRS Administração PUCRS Unidades PUCRS Graduação PUCRS Pós-graduação PUCRS Extensão PUCRS Biblioteca PUCRS Vestibular
26º SET UNIVERSITÁRIO
17 de setembro de 2013

Eles vivem para romper paradigmas

Jaílson de Souza e Rene Silva abrem o 26º SET Universitário
Por Maria Polo e Samuel Lima
Foto: Cassiana Martins/ Famecos/ PUCRS

Foto: Cassiana Martins/ Famecos/ PUCRS

Rene Silva é morador do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro. Nasceu na favela, cresceu na favela. Após participar do jornal da escola, aos 11 anos, por iniciativa própria, decidiu criar o Voz da Comunidade, em que busca até hoje mostrar problemas sociais cotidianos e criar campanhas para melhorar a vida do ambiente em que vive. Rene não é um fenômeno. Não deve ser tratado como uma exceção, um caso de sorte. É isto que o geógrafo, ativista, pesquisador e também crescido na favela, mestiço e filho de nordestinos, Jaílson de Souza e Silva, quer mostrar. Criador do Observatório das Favelas, ele dedica a vida a romper estigmas sociais. Os dois Silva realizaram, na noite de segunda-feira (16), a abertura do 26º SET Universitário.

Rene, a convite do coordenador do curso de Jornalismo da PUCRS, Fábian Chelkanoff, iniciou a palestra. Seus relatos no twitter sobre a pacificação do Complexo do Alemão chamaram a atenção da imprensa. Em algumas horas, a página recebeu mais de cinco mil seguidores. “Eu não conhecia o poder das redes sociais e da comunicação comunitária antes disso”, relata.

No início, as pessoas desconfiavam da iniciativa. Uma das dificuldades, afirma Rene, era a pouca idade e a ingenuidade. Em seu blog, por exemplo, não teve dúvidas em colocar seu endereço e contato. O susto aconteceu no dia seguinte. “No portão de casa, tinha equipes de televisão querendo me entrevistar. Emissoras nacionais, BBC, CNN, até a Al Jazira”, conta.

Apesar dos desafios, o jornal manteve-se com a ajuda dos moradores. As pessoas apoiaram e incentivaram, por meio de doações e divulgação. “Acredito que, hoje, há um outro olhar sobre as favelas. É uma imagem mais positiva. Mas tudo isso só foi possível graças à própria comunidade”.

O ativista Jaílson acredita num ideal de cidadão pleno. Para ele, esse deve ter dimensão singular específica, ou seja, cada um é único. Ao mesmo tempo, cada cidadão tem seus pertencimentos e suas diferenças, o que os torna particulares, ainda tem humanidade genérica, o que faz com que reconheçam a todos, e uma dimensão de visão global.

“Sou um desnaturalizador da realidade”, define. Ele acredita que o preconceito é fruto de uma naturalização de ideias errôneas. De que o favelado é carente, por exemplo. Para Jaílson, muitas vezes a sociedade pensa que na favela há somente criminalidade – o paradigma da carência e violência. “A função é promover ações de comunicação para mostrar a favela a partir do cotidiano, rompendo esses paradigmas. Temos de aprender a enxergar a beleza na diferença. A alegria, inventividade e sociabilidade que há na favela”.

Ao final da palestra, a jornalista Sabrina Abreu e Rene Silva apresentaram o livro A voz do Alemão, lançado em outras capitais e que estava à venda no auditório.

Eu Sou Famecos no Facebook Eu Sou Famecos no Flickr Eu Sou Famecos no Issuu Eu Sou Famecos no Mixcloud Eu Sou Famecos no Scribd Eu Sou Famecos no Twitter Eu Sou Famecos no Ustream Eu Sou Famecos no YouTube RSS do portal Eu Sou Famecos
Marista, Famecos, Espaço Experiência e PUCRS Site Famecos Site Eu Sou Famecos Site PUCRS
Faculdade de Comunicação Social - Famecos/PUCRS
Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 7 - Sala 106 - Porto Alegre/RS - CEP 90619-900
Fone 51 3320.3569 r. 4121 - espacoexperiencia@pucrs.br
Desenvolvido por Espaço Experiência Wordpress.org