Logo PUCRS PUCRS Universidade PUCRS Administração PUCRS Unidades PUCRS Graduação PUCRS Pós-graduação PUCRS Extensão PUCRS Biblioteca PUCRS Vestibular
PESQUISA
1 de novembro de 2015

Famecos lança estudo sobre conceitos de família

Levantamento foi feito pelo Núcleo de Tendências e Pesquisa do Espaço Experiência
Por Bárbara Debeluck e Nicolle Timm
Núcleo de Tendências e Pesquisa do Espaço Experiência da Famecos realizou a 2ª edição do Projeto 18/34 (Foto: Natalia Pegorer)

Núcleo de Tendências e Pesquisa do Espaço Experiência da Famecos realizou a 2ª edição do Projeto 18/34 (Foto: Natalia Pegorer)

O Núcleo de Tendências e Pesquisa do Espaço Experiência da Faculdade de Comunicação Social (Famecos) da PUCRS realizou a 3ª edição do Projeto 18/34, que investigou as ideias e aspirações da Geração Y sobre conceito de família. Conforme o estudo, o jovem possui uma visão mais prática e pragmática sobre as funcionalidades da família, servindo como forma de facilitar a logística da vida. Ainda que tenha tendência mais tolerante com as diferenças, aspira estruturar uma família tradicional, mas menor que a dos seus ascendentes, podendo gerar, no futuro, uma geração de pais mais velhos com poucos filhos. Essas são algumas das conclusões do projeto, que ouviu 1.500 jovens de todo o país entre 18 e 34 anos, proporcionalmente divididos por regiões.

Baseado na pesquisa Novos tipos de famílias (2010), os estudantes que integram o Núcleo de Tendências e Pesquisa, coordenados pelo professor da Famecos Ilton Teitelbaum, selecionaram sete dos 24 formatos de família como ponto de partida para a pesquisa. Foram considerados Família Díade Nuclear (pai e mãe), Família Nuclear ou Simples (pai, mãe e filhos), Família Alargada ou Extensa (pai, mãe, filhos, avós etc), Família Reconstruída, Combinada ou Recombinada (pai, mãe, filhos e enteados), Família Homossexual Feminina e Masculina, Família Monoparental Feminina e Masculina (pai e filho ou mãe e filho) Família Unitária (única pessoa).

A etapa de investigação qualitativa fez o levantamento com nove famílias constituídas e nove jovens. Foram constatados que os diferentes formatos são vistos com maior naturalidade pela Geração Y, além de enfatizarem a liberdade de escolha. No entanto, existe uma maior resistência quanto ao formato homoafetivo em ambos os grupos. A maior responsável pela formação dos valores e influências nas escolhas dos jovens é a família de origem. A religião é um fator de influência quase nulo, uma vez que as crenças não são praticadas. O professor Teitelbaum afirma que o jovem tem uma leitura prática de família. “É uma visão projetiva, muito mais que uma autoanálise. Essa é uma geração mais conservadora do que se poderia imaginar”.

 

Comportamento

A maioria (59,7%) dos jovens brasileiros ainda mora com os pais. A pesquisa apontou que em todas as regiões o vínculo domiciliar à família é predominante. No geral, sua ocupação é apenas estudar (61,93%), enquanto 36,4% exercem algum tipo de trabalho. As atividades por região se assemelham, pois as cinco principais são voltadas à tecnologia: acesso às redes sociais (72,7%), ouvir música (65,5%), buscar informações na internet (47,6%), assistir à televisão (25,3%) e games (21,2%).

No Sul e no Sudeste, o interesse em games (24,3% e 22,9%, respectivamente) é maior e há menor interesse na busca por informação (42,7% e 44,8%) comparado a outras regiões. A maior busca por informações está nas regiões Centro-Oeste (51,3%), Norte (56,3%) e Nordeste (50,8%). Os itens menos utilizados são rádio (3,2%), assistir à televisão (25,3%) e ler jornal/revista (8%).

 

Formatos de família e religião

Em um país laico, a pesquisa mostrou que o catolicismo é a crença com mais adeptos (34,3%). Se forem somados os resultados de ateísmo (19,3%), agnoticismo (6,2%) e fé sem religião (6,7%), totalizam 32,14%, ou seja, quase 1/3 dos representantes. No Nordeste, há mais católicos; no Norte, mais evangélicos; e no Sul e Sudeste os ateus estão mais presentes do que em outras regiões do país.

Para 81,1% dos jovens de todas as regiões, o conceito de família é fundamental ou muito importante. A maioria (47,5%) declara que seus valores vêm igualmente da criação em casa e da vivência com outras pessoas, enquanto 37,2% acreditam que vêm principalmente de casa. Os pais são os mais influentes nas decisões da Geração Y (31,3%), seguido por namorado(a) (10,1%).

Nesta geração parece que a luta contra o preconceito gera resultados. Quando perguntados sobre qual formato de família menos agrada, a resposta nenhuma (61,5%) é predominante. Porém, entre as alternativas, as famílias homoafetivas (17,3%) ainda têm a maior rejeição. As justificativas para a escolha variam entre: por não ser ideal para a sociedade (56,2%); por questões religiosas (53,9%); por tradição familiar (42%); por leis reprodutivas (38,9%); e por dificuldade de aceitação (22,3%).

Independentemente da orientação sexual, foi solicitado aos jovens que respondessem se as figuras paterna e materna estão vinculadas ao gênero. Segundo a pesquisa, em todas as regiões qualquer pessoa pode representar as duas figuras (52,9%). A declaração de que o pai e a mãe devem representar essas figuras (24,2%) vem logo depois. Ao serem questionados sobre as tarefas que devem ser desempenhadas pela mãe ou pelo pai, a resposta mais recebida foi a de que ambos poderiam realizar qualquer uma. Contudo, lavar roupa, cozinhar e arrumar a casa foram atos que ficaram ligados à figura feminina. As atividades de trabalhar e sustentar a família, ter autoridade, cuidar do jardim e fazer consertos e reparos em casa foram associadas à figura masculina.

 

Futuro

casamento ainda é um desejo da Geração Y. Com 39,2%, a união civil e religiosa é o tipo que predomina no que se refere à relação que gostaria de ter. Logo depois, está a união civil (24%), seguida da união estável (16,9%). Para ter filhos, a pesquisa aponta que os jovens declaram ser necessário ter estabilidade financeira e emocional, ser maior de idade e não depender dos pais. Em todas as regiões, a preferência é por um ou dois filhos, enquanto 17,1% dos respondentes não pretendem ter. Isso pode formar uma geração de pais mais velhos e/ou com poucos filhos, tendência de países como Japão e do continente Europeu. Financeiramente, os jovens ambicionam ganhar o bastante para ter pequenos luxos (43,20%) e para se sentir confortável (43,07%). As regiões que visam acumular mais riquezas são Sul (43,58%) e Sudeste (44,92%).

A primeira edição do Projeto 18/34, divulgada em 2013, constatou que 66% tinham como maior objetivo conhecer o mundo. A edição deste ano mostrou que esse sonho de vida não mudou. A maioria (72,9%) tem o desejo de viajar pelo mundo para conhecer outras culturas. Atrás, está ter uma boa formação na faculdade (55,6%). Somente 5,5% declararam ter como objetivo se dedicar totalmente ao trabalho.

 

Relatório Sintético

 

Confira o vídeo que explica a pesquisa:

Eu Sou Famecos no Facebook Eu Sou Famecos no Flickr Eu Sou Famecos no Issuu Eu Sou Famecos no Mixcloud Eu Sou Famecos no Scribd Eu Sou Famecos no Twitter Eu Sou Famecos no Ustream Eu Sou Famecos no YouTube RSS do portal Eu Sou Famecos
Marista, Famecos, Espaço Experiência e PUCRS Site Famecos Site Eu Sou Famecos Site PUCRS
Faculdade de Comunicação Social - Famecos/PUCRS
Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 7 - Sala 106 - Porto Alegre/RS - CEP 90619-900
Fone 51 3320.3569 r. 4121 - espacoexperiencia@pucrs.br
Desenvolvido por Espaço Experiência Wordpress.org