Logo PUCRS PUCRS Universidade PUCRS Administração PUCRS Unidades PUCRS Graduação PUCRS Pós-graduação PUCRS Extensão PUCRS Biblioteca PUCRS Vestibular
COMUNICAÇÃO
12 de janeiro de 2017

O adeus de Bauman na visão de Juremir Machado

O sociólogo polonês morreu na última segunda-feira, aos 91 anos
Por Júlia Bueno
(Foto: Clarissa Menna Barreto/Famecos/PUCRS)

Juremir Machado em entrevista concedida ao Portal Eu Sou Famecos (Foto: Clarissa Menna Barreto/Famecos/PUCRS)

Figura expressiva da sociologia que atingiu o sucesso e se manteve produtiva até o final da vida. Polonês, judeu e pensador contemporâneo que lutou contra o nazismo e protagonizou uma história interessante: a sua. É assim que o professor de Jornalismo e do Programa de Pós-Graduação (PPGCOM) da Faculdade de Comunicação Social (Famecos) da PUCRS Juremir Machado da Silva caracteriza Zygmunt Bauman, morto nessa segunda-feira (9), aos 91 anos. Nome de referência entre filósofos e críticos, se consagrou principalmente com o conceito de liquidez e o diagnóstico do individualismo e desigualdade atuais. Um ícone da contemporaneidade que abordou aspectos em comum com diversos autores, como Michel Maffesoli, e também analisou assuntos semelhantes a eles, em uma mesma perspectiva. “Bauman teve a perspicácia de escolher um envelope que sintetizou melhor o que tantos pensadores estavam dizendo. Descobriu uma boa palavra, uma boa etiqueta, um bom rótulo: o líquido”, explica.

 

Legado de Bauman

 

bauman, zygmunt 2 [crédito Peter Hamilton-The Bardwell Press]_0

(Foto: Peter Hamilton/The Bardwell Press/Zahar.com.br)

Embora a sociedade esteja vivendo uma época em que tudo é extremamente transitório e passageiro, Juremir acredita que existam aspectos positivos referentes à tal modernidade líquida. Convicto de que no momento atual somos mais livres do que antigamente, o jornalista explica que a efemeridade propõe uma reflexão a respeito do direito de poder mudar de comportamento. Ao utilizar o casamento como exemplo, expõe seu pensamento – e de Bauman – comparando matrimônios eternos e infelizes com diversas relações saudáveis e finitas. “O sólido nem sempre é melhor do que o líquido. O sólido, inclusive, já correspondeu à expressão do imutável, e não porque estivesse bom, mas porque não existia a possibilidade de modificar”, justifica. Argumenta ainda que, apesar da fugacidade não ser consistente, ela é menos pesada. Em poucas palavras, explica o quão fácil é reajustar as estruturas, já que, se não funcionam, basta readequá-las: “Nem sempre a permanência foi símbolo de satisfação e felicidade. Na maior parte do tempo, ela foi uma obrigação”. Mesmo ressaltando a conquista da liberdade, Juremir crê também que o excesso de maleabilidade pode se transformar em algo impermanente e descartável, prejudicando vínculos.

 

Referência para a Comunicação

 

Na visão do professor da Famecos, Bauman inspira os estudantes e profissionais da Comunicação em, no mínimo, três pontos. O jornalista acredita que o pensador polonês realce a necessidade de refletir, conceitualizar e pensar a sociedade como um todo. Tentar enxergar elementos recorrentes de uma cultura, para, depois, os contrapor aos de um outro país, é fundamental. De acordo com Juremir, é válido se inspirar no filósofo e procurar ser um intelectual, analisando o que acontece ao redor. O contemporâneo, observa, tratou a liquidez da amizade no Facebook – ao estabelecer um paralelo com os afetos físicos – e propôs uma reflexão sobre essas conexões. O docente expõe a importância de ter um pensamento crítico a respeito delas e saber não as confundir: “Avaliar a consistência é essencial”. Por último, o jornalista entende que não basta criticar de uma forma ressentida ou rancorosa, mas de maneira construtiva. Juremir afirma: “Bauman conseguia ver a situação social de uma forma complexa, sem estipular que tudo é ruim ou bom. Procurou o equilíbrio na análise e talvez essa seja uma boa inspiração”. Sobre suas obras, destaca que o interessante são as visões espalhadas pelos livros e artigos. “Elas estão salpicadas aqui e ali”, indica.

 

O limite (ou a falta dele) entre o líquido e o sólido

 

“Estados estão sempre em transformação. O sólido também é efêmero. Por mais que a permanência dele possa ser um pouco mais longa, em algum momento vai se transformar em gasoso e líquido, voltando a ser sólido de novo”. Juremir observa que a vida humana e as coisas que a constituem estão em constante mudança e justifica seu pensamento citando a frase do sociólogo francês Michel Maffesoli: “O herético de hoje será o canônico de amanhã”. Enquanto a modernidade, para o jornalista, foi um discurso sobre a importância da identidade, fortalecendo a solidez, a continuidade, a permanência, o fixo e a raiz; a pós-modernidade talvez seja o incentivo à fluência, à impermanência, à relativização.

Aos olhos de Juremir, o relativo é menos autoritário e permite que cada um seja como quiser ser, fugindo de identidades pré-determinadas: “A sociedade abriu mão dessas permanências, que eram muito mais escravizações”. Na opinião do professor, a pós-modernidade é o ‘sair da caixinha’, fugindo do controle dos que detêm o poder. “As pessoas podem escolher entre andar numa corda bamba ou numa encerra (espaço protegido que serve para aprisionar animais ariscos)”, brinca, dizendo que o interessante é fugir da zona de conforto e não ter medo de ‘sair da grade’. Apesar de preferir a liquidez se comparada com a solidez, o docente pontua que o efêmero estabelece uma certa insegurança e perda de referência. Esclarece a importância de manter o equilíbrio e procurar elementos concretos para se basear.

 

É assim que o jornalista identifica e compreende o legado que Bauman deixou nas suas obras para as gerações seguintes. Uma importante leitura a respeito das relações humanas, sociais e afetivas, nas redes e nas ruas.

 

*A Editora Zahar divulgou uma homenagem a Bauman na sua página com fotografias, depoimentos de admiradores e comentários de leitores do sociólogo. A foto de destaque desta matéria foi retirada do site. 

Eu Sou Famecos no Facebook Eu Sou Famecos no Flickr Eu Sou Famecos no Issuu Eu Sou Famecos no Mixcloud Eu Sou Famecos no Scribd Eu Sou Famecos no Twitter Eu Sou Famecos no Ustream Eu Sou Famecos no YouTube RSS do portal Eu Sou Famecos
Marista, Famecos, Espaço Experiência e PUCRS Site Famecos Site Eu Sou Famecos Site PUCRS
Faculdade de Comunicação Social - Famecos/PUCRS
Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 7 - Sala 106 - Porto Alegre/RS - CEP 90619-900
Fone 51 3320.3569 r. 4121 - espacoexperiencia@pucrs.br
Desenvolvido por Espaço Experiência Wordpress.org