Logo PUCRS PUCRS Universidade PUCRS Administração PUCRS Unidades PUCRS Graduação PUCRS Pós-graduação PUCRS Extensão PUCRS Biblioteca PUCRS Vestibular
DEBATE
5 de abril de 2012

O radicalismo da sensatez

Por Ariel Gustsack

Nesta quarta feira (4), o Auditório da Faculdade de Comunicação Social (Famecos) foi palco de uma discussão que completou 48 anos de história no mês passado, mas sem deixar de ser atual. A convite do Centro Acadêmico Arlindo Pasqualini (CAAP), o vereador Pedro Ruas e o jornalista e professor Juremir Machado da Silva expuseram algumas de suas opiniões, bem como alguns fatos ainda não esclarecidos sobre a época da Ditadura Militar no Brasil.

Logo no começo do debate, o atual presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de Vereadores de Porto Alegre aceitou o microfone e se pôs em pé para discursar. Ruas falou sobre a possível origem do golpe da ditadura através do repúdio do presidente João Goulart, em 1961, avisou sobre a “centenária tradição golpista das Forças Armadas brasileiras” e passou a ilustrar o horror das sessões de tortura da época, e acusou algumas empresas de auxiliar e custear o golpe militar.

Entre as histórias contadas pelo vereador, destaca-se o nome Boilesen, presidente da Ultragaz na época, que, alega Ruas, gostava de assistir às torturas, principalmente quando ocasionavam óbito dá vítima. Ressaltou que as mortes e desaparecimentos registrados na Argentina ainda ultrapassam os registros brasileiros, e lembrou que nossos vizinhos consideraram inconstitucional o perdão aos ex-ditadores. Ruas encerrou fazendo um apelo para que a verdade seja resgatada, e a justiça, feita.

Quando o professor Juremir Machado da Silva recebeu o microfone e começou a comentar, a abordagem mudou, mas manteve o mesmo tom: condenações à imprensa brasileira por acatar e até apoiar a ditadura. Juremir pediu que os jornalistas de hoje reavivem o assunto, que não deve ser esquecido. Atacou a forma de pensar de alguns que dizem que “a ditadura era tudo o que se podia fazer na época”, alegando que não haveria intenção de comunismo no governo de João Goulart, que era um fazendeiro rico e amante dos negócios.

“Jango era um reformista”, disse Juremir, defendendo que o presidente afastado tinha em pauta reformas necessárias para o progresso da nação na época. “Temos que reivindicar o radicalismo da sensatez”, brincou o professor, em crítica aos órgãos da imprensa gaúcha que se acomodam em demasiado na tentativa de evitar conflitos e incomodações, esquecendo de lutar pela verdade. “Democracia requer entropia. Quem exige silêncio e conformismo quer um cemitério, ou uma ditadura”, concluiu o professor.

Eu Sou Famecos no Facebook Eu Sou Famecos no Flickr Eu Sou Famecos no Issuu Eu Sou Famecos no Mixcloud Eu Sou Famecos no Scribd Eu Sou Famecos no Twitter Eu Sou Famecos no Ustream Eu Sou Famecos no YouTube RSS do portal Eu Sou Famecos
Marista, Famecos, Espaço Experiência e PUCRS Site Famecos Site Eu Sou Famecos Site PUCRS
Faculdade de Comunicação Social - Famecos/PUCRS
Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 7 - Sala 106 - Porto Alegre/RS - CEP 90619-900
Fone 51 3320.3569 r. 4121 - espacoexperiencia@pucrs.br
Desenvolvido por Espaço Experiência Wordpress.org