Logo PUCRS PUCRS Universidade PUCRS Administração PUCRS Unidades PUCRS Graduação PUCRS Pós-graduação PUCRS Extensão PUCRS Biblioteca PUCRS Vestibular
XII SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA COMUNICAÇÃO
7 de novembro de 2013

O significado dos símbolos na ação do cérebro

Em conferência, Ivan Izquierdo e Roberto de Almeida falam sobre a influência da linguagem sobre o cérebro humano
Por Lucas Leffa e Luiza Coelho
Foto: Cassiana Martins/ Famecos/ PUCRS

Roberto de Almeida discute as funções do cérebro humano na linguística (Foto: Cassiana Martins/ Famecos/ PUCRS)

Na segunda noite do XII Seminário Internacional de Comunicação (Seicom), o conceito de interdisciplinaridade foi demonstrado quando Carlos Gerbase, coordenador geral do evento, apresentou Ivan Izquierdo e Roberto de Almeida para o público. Na conferência, os pesquisadores da área da saúde e da linguística, respectivamente, falaram sobre as perspectivas do funcionamento do cérebro e da influência da comunicação sobre ele.

Roberto de Almeida, formado em Jornalismo pela Famecos e pesquisador do departamento de psicologia na Concordia University, no Canadá, discutiu as funções do cérebro na comunicação lingüística, apresentando o conceito de arquitetura cognitiva – um “manual do usuário” do cérebro. O professor mostrou, a partir de resultados de experimentos, alternativas para a interpretação do comportamento cognitivo humano focando na dialética entre representação e processos mentais. O primeiro seriam os códigos, enquanto o segundo seria a criação de relações entre as representações, assim como acontece em um computador.

Segundo Almeida, para compreender o funcionamento do cérebro, é preciso pensar no todo que o compõe. “Não basta saber a arquitetura física da máquina, nem as funções input e output em resposta aos estímulos. É preciso entender a computação interna”, afirmou. E os estímulos aos quais o professor se referiu foram exemplificados pela apresentação de um experimento que mostrou as diferenças dos padrões de comunicação e construção frasal de portadores do mal de Alzheimer para indivíduos que não sofrem com a doença. De acordo com a pesquisa, uma palavra alterada em uma frase pode ativar em maior escala uma determinada área do cérebro.

Coordenador do Centro de Memória da PUCRS, Ivan Izquierdo trouxe sua visão a respeito da relação homem-máquina. Ele tratou a linguagem como uma tecnologia reguladora, que interfere em todos os níveis do pensamento humano. “O ser humano aprende, desde cedo, a vocalizar em forma de palavras e fica dependente desta tecnologia”, disse. E o significado das palavras, de acordo com Izquierdo, pode mudar o curso da história.

Tudo depende de como a informação é recebida. Conforme apontou o pesquisador, uma palavra, ou a forma como é pronunciada, além do estado em que o ser humano se encontra, pode mudar todo o pensamento de uma pessoa. “E uma palavra que se altere em uma pergunta muda completamente a memória de um acontecimento”, completou.

É assim, para Izquierdo, que se formam os mitos: através de diferentes contextos e da forma como as informações de adaptam a ele. “As palavras não querem dizer o que está escrito. Elas podem significar qualquer coisa. E este significado pode mudar tudo”, finalizou.

Eu Sou Famecos no Facebook Eu Sou Famecos no Flickr Eu Sou Famecos no Issuu Eu Sou Famecos no Mixcloud Eu Sou Famecos no Scribd Eu Sou Famecos no Twitter Eu Sou Famecos no Ustream Eu Sou Famecos no YouTube RSS do portal Eu Sou Famecos
Marista, Famecos, Espaço Experiência e PUCRS Site Famecos Site Eu Sou Famecos Site PUCRS
Faculdade de Comunicação Social - Famecos/PUCRS
Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 7 - Sala 106 - Porto Alegre/RS - CEP 90619-900
Fone 51 3320.3569 r. 4121 - espacoexperiencia@pucrs.br
Desenvolvido por Espaço Experiência Wordpress.org