Logo PUCRS PUCRS Universidade PUCRS Administração PUCRS Unidades PUCRS Graduação PUCRS Pós-graduação PUCRS Extensão PUCRS Biblioteca PUCRS Vestibular
COMUNICAÇÃO
6 de dezembro de 2016

Saiba como verificar a veracidade de uma notícia

Google e Facebook analisam informações falsas; BuzzFeed divulga pesquisa sobre o tema
Por Júlia Bueno
Notícias falsas possuem maior repercussão que informações verdadeiras (Imagem: Júlia Bueno)

Notícias falsas possuem maior repercussão que informações verdadeiras (Imagem: Júlia Bueno)

Ler sem prestar atenção é um fenômeno, cada vez mais frequente, entre pessoas que passam de sentença em sentença sem realmente compreender o que está escrito. Jovens de 15 anos, como mostram Dados do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), não têm interesse na leitura. Nos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), 46% dos estudantes afirmam que leem apenas para obter as informações que precisam; 41% só leem se forem obrigados; e 24% acham que ler é um desperdício de tempo. Apenas um terço diz que a leitura é um dos hobbies favoritos. Por consequência, capturar a atenção deles se torna constantemente mais difícil, já que matérias extensas perdem espaço para notas de rodapé.

No final dos anos 90, o acesso à internet era feito através de computadores conectados a linhas telefônicas. Contudo, a prática de enviar notícias por mensagens de e-mail a grupos de amigos já existia, assim como a disseminação de boatos. Reportagens falsas sobre a morte de famosos, doenças raras, escândalos envolvendo política e dicas de tratamentos de saúde alternativos, por exemplo, surgiram antes mesmo do advento da internet. O que não se pode negar, porém, é que as as novas tecnologias proporcionaram um aumento no número de pessoas conectadas à rede, potencializando a divulgação de falsas informações. Com um pouco de criatividade, é possível produzir com facilidade um boato e em pouco tempo conquistar o engajamento de milhares de internautas.

A recomendação, portanto, é que cada indivíduo, antes de compartilhar qualquer informação, verifique a veracidade dela. De um modo geral, as pessoas acreditam que se algo está publicado em blogs, sites, redes sociais, ou compartilhado em grupos do WhatsApp seja verdade. Entretanto, isso não corresponde ao que realmente acontece. Existe, na internet, conteúdos criados apenas para conquistar seguidores e acessos, monetizando o site através de anúncios. Assim, é importante desconfiar do que está sendo lido, além de ser pertinente ir em busca da credibilidade da fonte.

 

BuzzFeed, Google e Facebook

 

Uma análise feita pelo BuzzFeed News, divulgada em outubro (16), concluiu que nos três últimos meses de campanha dos Estados Unidos, notícias falsas tiveram mais alcance no Facebook – cerca de 8,711 milhões de compartilhamentos, reações e comentários – do que as principais histórias eleitorais de 19 grandes fontes de notícias, que atingiram 7,367 milhões. New York Times, Washington Post e NBC News obtiveram menos leitores do que sites que se dizem informativos e blogs. Após uma onda de críticas sobre o possível papel que notícias equivocadas tiveram na eleição de Donald Trump para presidente dos Estados Unidos, o Google e Facebook adotaram medidas para cortar a receita de publicidade de sites com informações falsas.

 

Sem Título-1

 

O gráfico 1, à esquerda, mostra a diferença entre o engajamento de notícias verdadeiras e falsas no Facebook. Entre os meses de fevereiro e abril, o alcance correspondente às informações verídicas, divulgadas por fontes de notícias, alcançaram 12 milhões de compartilhamentos, reações e comentários. Enquanto os boatos ficavam em torno de 3 milhões, até julho. Ao se aproximar das eleições, o cenário mudou. As falsas informações pularam para 8,7 milhões e as notícias verdadeiras caíram para 7,3 milhões. No gráfico 2, à direita, o BuzzFedd listou as cinco matérias falsas que tiveram maior visibilidade na rede social.

 

Sites que detectam informações falsas

 

E-farsas - É um dos precursores do gênero, o site tem mais de 10 anos de existência e nele é possível pesquisar sobre a maior parte dos boatos amplamente difundidos na rede. O autor do site além de pesquisar a origem dos boatos, tenta fazer uma análise minuciosa sobre os pontos contraditórios contidos na informação que está sendo divulgada.

Boatos.org- É uma outra excelente alternativa para checagem de histórias espalhadas pela internet. O site segue uma linha editorial semelhante à encontrada no e-Farsas, mas pode variar no que diz respeito à análise da história. Nem sempre o que publicado num site, é repetido no outro.

Fatos & Boatos - É um site criado pelo Governo Federal e lançado no final de 2015. Nesse site são esclarecidos fatos relacionados a política.

 

Novo recurso do Google

 

google-1200-2O Google anunciou em outubro (13) o lançamento do recurso Fact Check, que possibilita que os internautas percebam a veracidade das notícias. Associada ao Google Notícias, a extensão disponibiliza aos criadores de conteúdo o uso de tags, que sinalizam se os textos são verdadeiros ou não. Para que os sites possam veicular suas publicações de notícias com a ferramenta, é necessário seguir os critérios disponíveis nas páginas de suporte do Google. Por meio do algoritmo, o Google cruza dados da própria notícia com outras fontes para validar a veracidade das informações e disponibiliza a nova etiqueta Fact Check para os leitores encontrarem links validados. A extensão está disponível no Reino Unido e nos Estados Unidos pelo domínio news.google.com, mas ainda não há previsão de chegada ao Brasil.

Tag(s) da matéria: , , , , .
Eu Sou Famecos no Facebook Eu Sou Famecos no Flickr Eu Sou Famecos no Issuu Eu Sou Famecos no Mixcloud Eu Sou Famecos no Scribd Eu Sou Famecos no Twitter Eu Sou Famecos no Ustream Eu Sou Famecos no YouTube RSS do portal Eu Sou Famecos
Marista, Famecos, Espaço Experiência e PUCRS Site Famecos Site Eu Sou Famecos Site PUCRS
Faculdade de Comunicação Social - Famecos/PUCRS
Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 7 - Sala 106 - Porto Alegre/RS - CEP 90619-900
Fone 51 3320.3569 r. 4121 - espacoexperiencia@pucrs.br
Desenvolvido por Espaço Experiência Wordpress.org