Logo PUCRS PUCRS Universidade PUCRS Administração PUCRS Unidades PUCRS Graduação PUCRS Pós-graduação PUCRS Extensão PUCRS Biblioteca PUCRS Vestibular
CULTURA
24 de outubro de 2014

Ser feliz é a finalidade da vida?

Escritor francês Pascal Bruckner falou sobre o tema no auditório da Famecos
Por Rossana Ruschel
Foto: Heike Knebel/Famecos/PUCRS

Foto: Heike Knebel/Famecos/PUCRS

Dois séculos antes de Jesus Cristo havia 280 tratados sobre a felicidade. No século XIX, esse número aumentou para 600. Hoje, podemos contá-los em milhares, sem mencionar o fato de que cada pessoa tem o seu próprio tratado. Os seres humanos sempre tentaram compreender melhor esse sentimento, o que resulta na imensa gama de escritos sobre o assunto.

O escritor Pascal Bruckner, considerado um dos novos filósofos (designação assumida por um grupo de jovens intelectuais franceses dos anos 70) publicou 15 livros e ganhou dois importantes prêmios literários europeus. Bruckner é um crítico da felicidade enquanto objetivo principal e absoluto. “Desde pequenas, as crianças tendem a começar a trabalhar a sua felicidade, e aquelas que não conseguem são encaminhadas para terapeutas, que devem ajudá-las a reerguer-se”, disse o filósofo nessa quinta-feira (23), em palestra no auditório da Famecos.

Para ele, a sociedade da felicidade obrigatória é também a sociedade da depressão, sendo esta a nossa grande doença moderna. “No passado, a neurose traduzia o conflito existente entre o desejo e a lei, ao passo que a depressão é o sentimento de não estar à altura do ideal que estabelecemos para nós mesmos”, mencionou.

Frente à atenta plateia, Bruckner comparou essa palavra de ordem da felicidade a uma ditadura, que persegue aqueles que não conseguem alcançá-la. “O contrassenso, ao mesmo tempo engraçado e trágico, é que a sociedade se torna infeliz por não conseguir ser, o tempo todo, feliz”, disse.

Outro problema, conforme o escritor é que talvez haja um mal-entendido, que considera a felicidade como puro produto de uma decisão humana. Entretanto, a experiência mostra que a felicidade não é algo simples. Nesse ponto da conferência, Bruckner pontuou algumas considerações. A primeira revela que o importante não é construir a felicidade, como construímos um edifício, mas talvez reconhecer esse sentimento quando ele chega a nós. “A maior parte das pessoas, principalmente os jovens, não sabe sequer saborear a felicidade quando ela chega”. Para ele, a arte de viver talvez esteja em aceitar essas pequenas felicidades que vêm sem esperarmos.

Bruckner citou o também filósofo francês Blaise Pascal. “Sempre estamos esperando para sermos felizes, e a vida passa e nunca alcançamos essa felicidade”. Precisamos nos perguntar se temos certeza de que a felicidade é a meta, a finalidade da vida, ou se trata de uma neurose puramente ocidental. “É universal a tentativa de evitar a infelicidade, o sofrimento, a miséria e a mágoa, mas será que nós temos tanta certeza de que a felicidade não é aquele horizonte insuperável?”, indagou.

O escritor seguiu com uma série de questões perturbadoras. “Será que não haveria valores mais ricos e autênticos do que a felicidade propriamente dita? Será que a liberdade não é mais importante do que a felicidade?” Será que uma felicidade obtida em detrimento de outros merece ser chamada felicidade? Será que não poderíamos fazer da liberdade, da justiça, da solidariedade valores mais importantes que a felicidade?”. A resposta também foi incisiva: “o grande problema da felicidade é que ninguém consegue chegar a um consenso sobre a sua definição.”

No fim de sua explanação, Bruckner concretizou seu ponto de vista. “Quando alguém nos pergunta: como vai você?, sempre temos um momento de hesitação”, disse, acrescentando que em alguns segundos, é preciso fazer um balanço psicológico, moral, econômico antes de dar a resposta. “E se eu responder que não estou bem, isso vai provavelmente gerar no meu interlocutor uma careta, de quem esperava continuar o seu caminho com outra resposta de minha parte”, afirmou. Além da palestra para os alunos da Faculdade de Comunicação Social (Famecos), Bruckner também participou do projeto Fronteiras do Pensamento.

Eu Sou Famecos no Facebook Eu Sou Famecos no Flickr Eu Sou Famecos no Issuu Eu Sou Famecos no Mixcloud Eu Sou Famecos no Scribd Eu Sou Famecos no Twitter Eu Sou Famecos no Ustream Eu Sou Famecos no YouTube RSS do portal Eu Sou Famecos
Marista, Famecos, Espaço Experiência e PUCRS Site Famecos Site Eu Sou Famecos Site PUCRS
Faculdade de Comunicação Social - Famecos/PUCRS
Av. Ipiranga, 6681 - Prédio 7 - Sala 106 - Porto Alegre/RS - CEP 90619-900
Fone 51 3320.3569 r. 4121 - espacoexperiencia@pucrs.br
Desenvolvido por Espaço Experiência Wordpress.org